ESPASTICIDADE, QUAIS TRATAMENTOS INDICADOS?

A espasticidade é uma alteração no tônus muscular, caracterizada pela rigidez do músculo, causando um déficit motor que provoca dor e limita a funcionalidade dos membros afetados. Ela geralmente ocorre em doenças neurológicas que provocam lesão de células do sistema nervoso, responsáveis pelo controle dos movimentos voluntários. Dentre essas doenças, podemos citar: Acidente Vascular Cerebral (AVC), Paralisia Cerebral, Esclerose Múltipla, Esclerose Lateral Amiotrófica, Lesão Medular e outras.

Os sintomas variam desde uma leve sensação de aperto no músculo ou pode ser grave a ponto de produzir deformidades musculares e articulares, espasmos incontroláveis e dolorosos, comumente em pernas e braços, cruzamento involuntário das pernas, o que incapacita o paciente na realização de suas tarefas de rotina.

Tratamento

Quando não há resposta adequada ao tratamento medicamentoso e reabilitação, tratamentos intervencionistas podem ser propostos.

Relaxantes Musculares e Toxina Botulínica – O tratamento de casos leves e moderados envolvem o uso de relaxantes musculares e aplicação de toxina botulínica (BOTOX) nos músculos acometidos.

Rizotomia Dorsal Seletiva – O procedimento bastante utilizado no tratamento da Espasticidade. A técnica minimamente invasiva consiste na inativação de parte dos nervos (raízes), que conectam os músculos à medula.

Bomba de Baclofeno –A bomba de baclofeno é um dispositivo programável que introduz continuamente medicamentos líquidos diretamente no “espaço intratecal” de nossa medula espinhal, onde pode ter maior impacto sobre a espasticidade severa.

O tratamento deve ser sempre multidisciplinar com interação entre medicações, procedimentos intervencionistas e fisioterapia, para a reabilitação integral do paciente. Converse com um especialista!

ESTENOSE DE CANAL LOMBAR

A Estenose Lombar é o processo de estreitamento do canal, por onde passam a medula espinhal e nervos. Este estreitamento pode exercer compressão sobre a medula espinhal e nervos responsáveis pela sensibilidade e movimentos dos membros inferiores, gerando dores e desconforto.

Mudanças no tamanho ou na forma do canal vertebral podem ocorrer por diferentes motivos, um deles, como resultado do envelhecimento, o que faz da Estenose uma condição comum em idosos.

Os sintomas variam de acordo com a localização da compressão neural, mas o mais comum são as dores na região lombar, quadril e glúteos; dor e cãibras nas pernas. A dor nas pernas causada pela Estenose Lombar é conhecida como claudicação neurogênica, caracterizada pela sensação de peso nas pernas que piora em pé ou andando e tipicamente melhora sentado. O paciente também, pode se queixar de sensação de formigamento nas plantas dos pés.

Em casos severos, pode acometer os tratos urinário e intestinal. Quando há perda dessas funções urinária e fecal, é o que chamamos de síndrome de cauda equina, demandando intervenção médica urgente e imediata.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é feito com avaliação clínica e física do paciente, e através de exames de imagem. Em alguns casos, a Estenose pode ser diagnosticada “por acaso”, após o paciente buscar tratamento para as dores lombares.

TRATAMENTO

Existem diferentes terapias para o tratamento da Estenose Lombar. Quais são eles?

A terapia com medicamentos pode incluir o uso de analgésicos simples, corticosteróides e analgésicos opioides, anti-convulsivantes e outros que tenham papel no controle da dor. O tratamento fisioterápico, também pode auxiliar no controle da dor lombar e da dor irradiada para os membros inferiores.

Em alguns casos, a cirurgia pode ser o tratamento mais indicado. Existem várias técnicas cirúrgicas que visam a descompressão das estruturas nervosas acometidas, e uma delas, é a Cirurgia por Vídeo ou Endoscopia da Coluna. É um procedimento minimamente invasivo, indicado no tratamento de hérnias de discos e estenoses, que se comparado às técnicas convencionais, é menos traumático, com menor risco e melhor recuperação do paciente.

A Cirurgia Endoscópica é feita através de uma pequena incisão, por onde é introduzida uma câmera com iluminação e instrumentos de alta precisão para o alvo do problema. O procedimento pode ser realizado sob anestesia local/sedação, dependendo de cada caso. A recuperação, bem como o tempo de retorno às atividades habituais, também devem ser avaliadas individualmente.

DOR MIOSFASCIAL

Na dor Miofascial, além da dor muscular e dos pontos-gatilho, podem estar presentes outros sintomas como, a diminuição da mobilidade local e fraqueza muscular (fenômenos motores), dormências e formigamento (fenômenos sensoriais). São frequentes também, as queixas de alterações do sono e do humor.

DIAGNÓSTICO

Os pontos de gatilho da dor são elementos centrais para o diagnóstico da Dor Miofascial. Além do histórico clínico, do exame físico, é importante considerar também, outras condições como a Fibromialgia, não sendo incomum a coexistência de ambas as patologias no mesmo paciente.

TRATAMENTO

O tratamento conservador inclui a prescrição de medicamentos, relaxantes musculares e fisioterapia. Quando o estresse e a ansiedade estão diretamente relacionados à frequência dos sintomas, o acompanhamento psicológico é fundamental.

Procedimentos intervencionistas também podem ser indicados quando as terapias conservadoras não apresentam efeitos no controle da dor. Dentre essas opções, pode ser indicada a infiltração anestésica. O procedimento mais adequado para cada caso, no entanto, deve ser indicado após uma avaliação do paciente por um especialista.

HÉRNIA DE DISCO, Conheça a Cirurgia Endoscópica

Graças aos avanços nas técnicas minimamente invasivas, pacientes com hérnias de disco lombares, podem se beneficiar de procedimentos como a Cirurgia Endoscópica, que apresenta vantagens consideráveis, quando comparadas às técnicas tradicionais.

A técnica utiliza endoscópicos associados a câmeras, que permitem que o Neurocirurgião Especialista em Coluna consiga acessar e remover a hérnia de disco, além de ser utilizada em descompressões medulares em todas as regiões da coluna, com danos mínimos às estruturas da coluna e musculatura.

Quais a vantagens

Pode ser realizada com anestesia local e sedação, ao invés da anestesia geral;
Menor incisão na pele
Procedimento rápido;
Sangramento mínimo;
Menos dor pós operatória e uma recuperação mais rápida;
Habitualmente, o paciente tem alta no mesmo dia
Retorno mais rápido ao trabalho;
Baixa taxa de infecção;
Alto índice de sucesso, definido o êxito como retorno imediato às atividades diárias.

Importante ressaltar que nem todo paciente com hérnia de disco lombar é um candidato à Cirurgia Endoscópica da coluna. Através de uma avaliação criteriosa de um especialista, que inclui exames físicos e de imagem será possível definir qual melhor tratamento para cada caso.

Estimulação da medula espinhal, quando é indicada?

E quando as Dores Crônicas não encontram alívio com medicamentos ou cirurgia? A estimulação da medula espinhal pode ser uma alternativa.

COMO FUNCIONA?

Basicamente, a Estimulação da Medula Espinhal é feita através da colocação de eletrodos implantados na região epidural posterior da medula espinhal. Esses eletrodos são ligados a um a um dispositivo semelhante a um marca-passo, que entrega estímulos leves sobre a medula que bloqueiam os impulsos de dor que seriam transmitidos ao cérebro.

EM QUAIS CASOS ELA É INDICADA?

A Estimulação da Medula Espinhal é uma técnica que tem se mostrado eficiente e segura para pacientes com Dor Crônica que não respondem mais ao uso de medicamentos.

As indicações clínicas comuns para terapia de Estimulação da Medula Espinhal incluem: Síndrome Pós-Laminectomia ou Síndrome do Insucesso (FBSS): Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC): Neuropatia Periférica: cirurgia de hérnia de disco mal sucedida, entre outras.

O QUE ESPERAR DO TRATAMENTO?

O nível de alívio da dor depende de cada paciente. Em alguns casos, se necessários, a Estimulação da Medula Espinhal pode ser utilizada em conjunto com medicamentos. Já em outros casos, o tratamento tem resultados tão positivos, que há dispensa do uso de remédios, assim como em outras situações, poderá haver a redução nas doses recomendadas.

Dor cervical é normal? Quando você deve se preocupar?

Genericamente, a cervicalgia é qualquer dor na coluna cervical que pode ser causada por postura inadequada, traumatismos, doenças degenerativas, artrite, compressão nervosa, entre outros fatores. Em maioria dos casos, o problema regride com uso de analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes musculares, bolsas de gelo ou de água quente e diminuição do esforço diário.

COMPLICAÇÕES DA CERVICALGIA

A coluna cervical mantém contato com estruturas importantes do organismo, como a medula espinhal, vasos arteriais e venosos e nervos ligados ao cérebro. As complicações da cervicalgia, relacionadas ao envelhecimento de estruturas ou compressão nervosa, além da dor, podem ser acompanhadas de dormência, formigamento e/ou perda de força nos ombros, braços e pernas, prejudicando significativamente a mobilidade e qualidade de vida do paciente.

A dor persistente na coluna cervical pode resultar em diagnósticos graves como, artrose na cervical, artrite, hérnia de disco, bico de papagaio ou espondilose na cervical, quando há estreitamento do canal cervical e compressão nervosa. Exames podem indicar ainda, a presença de tumores ou infecções.

TRATAMENTO

O diagnóstico é o primeiro passo, e para isso, seu médico irá solicitar exames de imagem para identificar a origem da dor e a melhor visualização das estruturas internas. Em alguns casos, pode ser necessária a realização de cirurgia. Para o tratamento de casos de compressão nervosa o médico indicado é o Neurocirurgião, em razão da especialização na estrutura e funcionamento do sistema nervoso central e periférico. Este especialista pode indicar a realização de uma cirurgia minimamente invasiva, a exemplo da Cirurgia Endoscópica da Coluna, indicada também para casos de Hérnia de Disco Cervical. A técnica de mínima invasão e mínima agressividade, permite visualizar o local exato da doença com uma grande precisão, através de monitores de alta definição (Full-HD).

O diagnóstico e tratamento das dores na coluna cervical podem envolver diferentes especialistas, dentre eles, o Ortopedista, Neurocirurgião e Médico Especialista em Dor. Procure tratamento adequado.

APROXIMADAMENTE 80% DOS PACIENTES DIABÉTICOS DESENVOLVERÃO NEUROPATIA, FELIZMENTE NEM TODAS SÃO DOLOROSAS.

Os altos níveis de glicose no sangue podem causar danos direto nos nervos, provocando dores como: queimação e perda de sensibilidade nos pés em alguns pacientes diabéticos.

Muitos pacientes experimentam essas dores causadas pela Neuropatia Diabética, mas alguns sequer sabem que existe tratamento adequado. O tratamento inicial de escolha é medicamentoso, com uso de antidepressivos e anticonvulsivantes específicos, que também possuem efeito analgésico em casos de dores crônicas.

Algumas técnicas intervencionistas, como a estimulação medular, têm eficácia comprovada nos pacientes em que o tratamento medicamentoso não foi obteve resultado.

Lembrando que o correto diagnóstico é fundamental para eficácia do tratamento, por isso, em caso de dores não é recomendável o uso de medicamentos por conta própria. O ideal é que o paciente busque um profissional especialista em dor.

🤔 Existem alimentos que pioram ou melhoram os sintomas da Fibromialgia? Uma dieta específica pode ajudar no tratamento?

O tratamento da Fibromialgia tem como objetivo, controlar os sintomas de dor, fadiga, alterações de sono e depressão. Além, de procedimentos intervencionistas que podem ser indicados, como os Bloqueios Venosos da Dor, é de grande importância que o paciente faça adesão ao tratamento, mudando hábitos também na sua rotina, o que inclui um alimentação equilibrada, que deve ser orientada por um Nutricionista, além da prática de atividades físicas.

É verdade que alguns alimentos podem tanto aliviar os sintomas da fibromialgia, quanto piorar os processos inflamatórios. A seleção desses alimentos "do bem", vale não só para pacientes com Fibromialgia, já que eles têm funções importantes na regulação de hormônios ligados ao sono, à sensação de relaxamento e bem-estar.

QUAIS ALIMENTOS DEVO PRIORIZAR?

Fontes de triptofano: Têm como objetivo, aumentar a produção de serotonina. Podemos citar: carnes magras, peixes, mel, nozes, leguminosas, damasco, açaí, arroz integral e banana;

Fontes de melatonina: aveia, cereja, amendoim e vinho; alimentos antioxidantes: frutas e verduras em geral, cúrcuma, cacau;

Alimentos que atuam na redução do cortisol (estresse): abacate, ovo; Brócolis; Espinafre; Peixe; Aveia; Amêndoa; Castanha;

O QUE DEVO EVITAR?

Evite alimentos industrializados: temperos industrializados, açúcares, gorduras saturadas e hidrogenadas, carnes processadas, cafeína, corantes, aspartame, leite e derivados.

Aquela dor que parece um choque 😦 Quem já teve esse problema pode contar aqui o que é isso 👇

A dor na coluna ou dor nas costas é um sintoma muito comum em algum momento da vida de qualquer pessoa, mas em alguns casos, a dor surge de forma tão intensa, que deixa o indivíduo com a “coluna travada”, impossibilitado de voltar à posição inicial. Essa crise intensa de dor pode surgir após um pinçamento de um nervo, que em um mecanismo de defesa, se imobiliza, em resposta à dor aguda. Isso pode acontecer por algum movimento errado, posturas viciosas ou inadequadas, ou também pode indicar outros problemas de coluna.

Durante a crise, o melhor a fazer é repouso por alguns minutos e utilizar compressas de água quente. Independente da duração ou intensidade do travamento da coluna, é essencial a realização de uma avaliação com um especialista, que poderá diagnosticar, por exemplo, se a dor é causada por alguma contratura/espasmo muscular ou se está ligada a alguma lesão no disco vertebral.

PREVENÇÃO

- Mantenha uma rotina de atividades físicas orientadas por um especialista
- Mantenha uma boa postura para proporcionar estabilidade.
- Evite o sobrepeso, adotando uma dieta equilibrada

👉 Sabia que a dor é um sintoma comum em pacientes com câncer?

Uma porcentagem significativa de pacientes em tratamento do câncer se queixa de dores, que podem ser causadas pela própria doença, quando um tumor pressiona os ossos, nervos e órgãos do corpo - esse quadro é mais comum em pacientes com a doença em estágio avançado. Os sintomas dolorosos também podem ser causados por tratamentos ou pelos exames realizados para diagnosticar a doença.

Compressão da medula espinhal: Quando um tumor invade a coluna vertebral, pode pressionar a medula espinhal. O primeiro sinal da compressão é geralmente dor na parte posterior do pescoço ou dor de garganta, às vezes com dormência ou fraqueza em um braço ou perna. A intervenção deve ser imediata nesses casos, evitando que o paciente perca funções importantes. A cirurgia para retirar o tumor que está pressionando a coluna vertebral, pode ser indicada.

Dor cirúrgica: Além da radioterapia e quimioterapia, a cirurgia pode ser indicada no tratamento de diferentes tipos de cânceres e dependendo do tipo de cirurgia, sentir dor é algo esperado. É importante que o paciente converse com o Oncologista e relate a intensidade e a frequência da dor pós-cirúrgica, para ser avaliada a melhor intervenção. Alguns dos efeitos colaterais da quimioterapia e radioterapia podem provocar dor, que deve ser bem gerenciada para que o paciente siga com o tratamento.

Neuropatia periférica: Sensação de dor, ardor, formigamento, dormência, fraqueza, dificuldade para andar, que pode ser provocada por determinados tipos de medicamentos quimioterápicos, embora também possa ser devido a deficiências vitamínicas, pelo próprio câncer e outros problemas de saúde, como diabetes e infecções.

Tratamento

É importante saber que desde as dores mais leves às mais severas são passíveis de tratamento. O protocolo deve ser definido após uma avaliação criteriosa de uma equipe especializada em dor, juntamente com o médico Oncologista. Além de medicamentos, podem ser indicados procedimentos minimamente invasivos, como os Bloqueios realizados para interromper o caminho da dor para o cérebro.

A neuromodulação também pode ser indicada. O procedimento é feito através da implantação de dispositivos que liberam a medicação no sistema nervoso central, alterando a sensação de dor.

É possível diminuir os efeitos inflamatórios e progressivos da Artrite Reumatoide?

🔹A Artrite Reumatoide é uma doença inflamatória crônica, autoimune, que afeta as membranas sinoviais de múltiplas articulações. Além dos sintomas dolorosos, se não tratada precocemente, pode levar ao surgimento de lesões irreversíveis, deformidade articular e incapacidade física, além de eventualmente, acometer outros sistemas.

🔹A causa exata da artrite reumatoide ainda não é conhecida. É provável que diversos fatores estejam envolvidos: características genéticas, fatores ambientais, estímulos antigênicos infecciosos e alterações imunológicas. O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais e de imagem como radiografias, ultrassonografias, tomografias, ressonância, que podem ser solicitados pelo após a avaliação de cada quadro clínico individualmente.

✅Um dos tratamentos disponíveis são as infiltrações intra-articulares guiadas por ultrassom. O precedimento pode ser feito com uso de corticoides, que têm alto potencial anti-inflamatório e menor efeito sistêmico em comparação com os corticoides administrados por via oral ou aplicados por via intramuscular.

✅As infiltrações intra-articulares também podem ser feitas com ácido hialurônico (viscossuplementação), que além do efeito analgésico e anti-inflamatório, tem como objetivo principal, lubrificar e proteger a cartilagem articular, isso acontece porque o Ácido Hialurônico é normalmente produzido pelas células da membrana das articulações.

🅰 Procure um especialista para tirar dúvidas e indicar o melhor tratamento para o seu caso.

Neuromodulação no tratamento da dor crônica

Você sofre com a dor crônica? Conhece o tratamento por Neuromodulação? Então vem ver esse post

A Neuromodulação pode ser indicada para pacientes que não obtiveram resultados com tratamentos convencionais para minimizar ou eliminar a dor de origem na coluna cervical, torácica e lombar.

Para o tratamento da dor crônica, as principais técnicas de neuromodulação utilizadas são: a estimulação medular, estimulação cerebral, estimulação de raiz e estimulação de gânglio da raiz dorsal.

Tipos de escoliose

A escoliose pode ter diversas origens, diferentes prognósticos e evoluir distintamente em cada caso. A curvatura da coluna pode atingir a região lombar, torácica ou ambas as partes .

Estas curvaturas podem ser classificadas em: Funcional ou Estrutural. No tipo funcional, a deformidade ainda não está instalada definitivamente, pois não atinge as estruturas ósseas, somente os músculos; no tipo estrutural, a curvatura já atinge as vértebras e se fixa.

Os tipos mais comuns da escoliose são:

*Escoliose congênita (de nascença): Quando ocorre má formação ou divisão das vértebras;

*Escoliose neuromuscular: Surge por sequelas de doenças neurológicas;

*Escoliose idiopática: Considerada e apresenta características e níveis de evolução diferentes;

*Escoliose pós-traumática: Surge a partir de doenças do tecido conjuntivo e/ou anomalias cromossômicas;

*Escoliose Degenerativa do adulto: Causada pela degeneração de discos da coluna vertebral e de suas articulações;

A dor do paciente com câncer

A dor é um sintoma comum em pessoas com câncer e pode ser causada pelo próprio tumor ou pelo resultado de algum tratamento. Entenda mais 👇 Tumor - O crescimento do tumor pode exercer um efeito de pressão sobre algum tecido ou órgão, alterando a circulação, danificando estruturas e consequentemente, levando à dor. Se o câncer cresce ao redor da medula espinhal, por exemplo, pode causar compressão, produzindo uma dor intensa ou paralisia, se não for tratada.

Cirurgia - Sentir uma dor leve e controlada após uma cirurgia para remoção do câncer pode ser considerado normal. A maioria dessas dores desaparecem espontaneamente, mas algumas pessoas podem ter uma dor persistente durante meses ou anos, ou até mesmo, apresentá-la de forma permanente e incontrolável. Radioterapia - Normalmente utilizada para controle da dor do câncer, mas em alguns casos, ela pode ser a causa da dor, podendo até mesmo persistir durante meses ou anos após o tratamento.

Quimioterapia - Alguns quimioterápicos podem causar a dor com dormência nos dedos das mãos e dos pés. Normalmente, essa dor desaparece com o fim do tratamento, mas às vezes o dano é permanente.

O médico pode tratar a dor de várias maneiras, mas o tratamento mais adequado deve ser indicado após uma avaliação de diferentes especialistas, incluindo recomendações do Oncologista que acompanha o paciente e de um especialista em dor.

Hérnia de disco quando a cirurgia é indicada?

Sabia que cerca de 90% dos casos de hérnia de disco melhoram com o tratamento clínico? 😮 A cirurgia minimamente invasiva da coluna pode ser indicada apenas quando o paciente apresenta dor incapacitante ou algum sintoma neurológico associado como, perda de força ou sensibilidade 🤕 Pacientes que não respondem ao tratamento clínico também podem ser candidatos ao tratamento cirúrgico. A indicação de procedimentos só pode ser feita após avaliação de um especialista 🤓

  • 1
  • 2